Escolhe, pois, a vida?

Written by Noticias pelo Mundo

Na próxima quarta-feira (5), o Superior Tribunal Federal inicia a votação da Ação Direta de Inconstitucionalidade 3.510, que pede a exclusão do artigo 5º da Lei de Biossegurança (Lei 11.105/05). O artigo permite a utilização em pesquisas de células-tronco embrionárias fertilizadas in vitro e não utilizadas. A regulamentação prevê que os embriões usados estejam congelados há três anos ou mais e veta a comercialização do material biológico. Também exige a autorização do casal que gerou o embrião.

O que mais me espanta nisso tudo é a coincidência da votação em pleno período da quaresma no calendário católico, no ano em que a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) escolhe como tema: “Escolhe, pois, a vida”. Nesse ano pretende-se discutir temas como aborto, eutanásia e biotecnologia. E claro que a utilização de células tronco embrionárias não estaria de fora da discussão.

O debate em relação a questão é extremamente sadio. O que levanta dúvidas de idoneidade da igreja é a falta de argumentos científicos que explique ao grande povo os dois lados do projeto. Será que os líderes católicos estão realmente esclarecendo a população ou transformando a polêmica em uma simples ordem do Vaticano contrária ao estudo com tais células? Será que os argumentos estão na linha: “Não pode, porque é pecado”?

“… a comunidade científica afirma que milhões de pessoas portadoras de doenças diversas dependem da pesquisa com células-tronco para a cura e que as células de embriões são mais promissoras que as adultas (às quais os religiosos não objetam), já que, diferentemente destas, têm a capacidade de se diferenciar em qualquer tipo de tecido no organismo. Para eles, os ministros deveriam se preocupar com a vida dessas pessoas, não a de embriões já descartados para a reprodução. ” (Folha de São Paulo).

Como se trata de um blog de opinião, aqui vai a minha: sou absolutamente favorável a utilização em pesquisas de células-tronco embrionárias. Tais embriões não serão utilizados e poderão salvar vidas. Será que isso não é argumento suficiente? Espero que o melhor seja feito e que o resultado não seja influenciado pelos ministros temerosos do fogo dos infernos. Nem da fúria do papa!

Last modified: 4 de agosto de 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *